sábado, 2 de março de 2013

QUANDO A SOLIDÃO BATE A PORTA



Oh noite tão fria , seria bom ouvir sua voz
espero que você esteja bem
Milhões de pensamentos sobrevoam minha cabeça
me abrace antes que eu enlouqueça
um frio de congelar a alma .
Meus olhos parecem um farol
iluminando o caminho escuro .
Eu queria ser uma ponte pra chegar do outro lado.
A solidão  bateu em minha porta,
e  entorpecido sem poder fazer nada
deixei-me levar pelo vento frio do oriente
relutei tanto , queimei minha pele e meus ossos
joguei pra cima todo sentimento ,
e vi as minhas cinzas desaparecerem com o vento
letárgico e quebrantado .
É assim que me sinto.

O tempo continua passando
fica mais difícil a cada minuto
até o céu se enturveceu
onde estará meu escudo.
quando o mundo me  deixa de lado
tenho que aprender a viver comigo mesmo
pois  sou meu único amigo
apesar de que Deus está comigo.
A solidão bateu em minha porta
e fez cair  a ultima gota
no contorno do lápis do poeta
calando-se alegria
silenciando-se a poesia
e o alarme disparou gritando 
Me de um abraço .
Me tire daqui.
Eis me aqui , eis me aqui









5 comentários:

  1. Emocionei . Perfeito

    ResponderExcluir
  2. Linda homenagem a saudade, e mais que isso ao medo de perde ou de nunca conquistar.
    Belo pensamento descrito na sua poesia. Estão livres dela apenas os mortos.
    Parabéns Jeferson.

    ResponderExcluir
  3. MUTACCIO

    É meu caro, quando essa tal solidão bate a nossa porta boa coisa não é. Por isso, devemos dia a dia estar em contato com o nosso "EU", pois, só ele pode nos confortar nesse momento escuro, ou ainda nos dizer a verdade, verdade está que nos recusaríamos a ouvir de outra pessoa. Sim, conversar com nosso "EU" e procurarmos saber dele, onde estamos errando, pois, não chegamos a permitir essa tal solidão a bater em nossa porta por acaso, algo ocorreu, algo fizemos de maléfico para nós mesmos ou ainda, para outrem, e assim, chegarmos a esse estágio e/ou ambiente sombrio e Inóspito. Pois aí esta, os ventos do oriente desejando, querendo agir negativamente e cabe a cada um de nós, não permitirmos isso pois, os ventos do oriente dever nos refrescar a pele, o corpo nos deixar em estado de magia, de graça.
    Abraços Jeff.

    ResponderExcluir

Comente aqui :